FOTOS FRED OTHERO

Parece que não vai dar certo. Eles sobem uma coluna de 4 metros de altura sem qualquer corda de segurança. Lá em cima dão um impulso, rodopiam três vezes no ar e caem no chão com as pernas paralelas. Quem está embaixo, fica embasbacado. Eles, ao contrário, estão confortáveis e perguntam se é necessário repetir o salto. Praticam o Parkour, a arte de ultrapassar obstáculos de forma rápida e eficiente, há mais de dez anos. E vestem roupas que não restringem seus movimentos nas manobras: camisa e calça jeans. Temos a foto perfeita.

Le Parkour com a Reserva

Os jeans flexíveis (Estique-se, na Reserva), não cedem. Isso quer dizer que eles se adaptam às formas do seu corpo, sem sobras ou apertos. É o jeans que veste bem de verdade.

Le Parkour com a Reserva 2

Le Parkour com a Reserva 3

 


 

Na verdade, quando sugerimos à equipe da Voltz Parkour praticar movimentos do Parkour para a Revista-se vestindo jeans a reação foi de completo desconforto – a roupa ideal para a prática (até então) é o moletom. No dia das fotos, qual a surpresa geral em perceber que as calças em questão tinham a flexibilidade do moletom, mas cara de um bom (e bonito) jeans. O jeans mudou. Deu um salto não só estético, mas tecnológico; está mais confortável do que nunca. Graças a tecnologias que misturam novos fios ao denim, virou uma roupa responsiva, que permite liberdade de movimentos, não cede e volta à forma original mesmo depois de um dia inteiro de trabalho – ou de movimentos radicais. O bacana dessa novidade é que a tecnologia não está restrita às calças: também aparece em camisas e jaquetas. E a maneira mais bacana de usá-las é combinando com o próprio jeans. Na Reserva esses jeans ganharam o nome de Estique-se. Experimente.

 


 

Le Parkour com a Reserva 4
Le Parkour com a Reserva 5

Combine as peças jeans entre elas ou misture com outras em tons de azul. Essa é a maneira mais atual de usar jeans.

Le Parkour com a Reserva 6

O Parkour surgiu nos anos 1980 no subúrbio de Lisses, na França, com um grupo de amigos que resolveu praticar nas ruas alguns movimentos de um treinamento militar conhecido como percurso do combatente ou parcours du combattent – daí o nome, parkour. O treinamento tinha como base o Método Natural de Educação Física criado pelo tenente francês Georges Hébert na década de 1920 e utilizado por soldados franceses na guerra do Vietnã. Hébert defendia que para conquistar resistência, vigor e velocidade, além de coragem e força de vontade, era necessário saber mover-se de maneira completa e útil. No fim dos anos 1990, um dos amigos, David Belle, participou de programas de televisão mostrando os movimentos que era capaz de fazer nas ruas. A prática ganhou fama e David ficou conhecido como o criador do Parkour. O princípio do esporte é mover-se de um ponto a outro da maneira mais rápida e eficiente possível, usando saltos, rolamentos e escaladas. Originalmente, sempre há um objetivo final a ser alcançado. Se mortais e giros entram no rol de movimentos, o nome correto é Free Running Parkour.

Le Parkour com a Reserva 7


 QUER SER AVISADO SOBRE NOSSOS PRÓXIMOS POSTS?

[contact-form-7 404 "Not Found"]