Especial Viagem - Revista Reserva


Para muita gente cair na estrada sem companhia é um risco. Bobagem: há poucos prazeres tão agradáveis como uma jornada consigo mesmo e sem ninguém para dar pitaco


 

Se você é solteiro/a, provavelmente já passou pela experiência de querer pôr o pé na estrada e não encontrar companhia para a empreitada. Os motivos podem ser variados: relacionamentos recém-desfeitos, incompatibilidade entre a sua agenda e a das outras pessoas (às vezes acontece de se tirar férias num momento em que todos estão trabalhando ou estudando) ou mesmo a escolha de um destino que só interessa a você. Muita gente acha que não ter companhia é motivo para ficar em casa – quem, afinal, seria louco de se arriscar numa aventura sozinho por aí, não é? Tremendo engano.

Viajar sozinho pode ser uma experiência muito gratificante. Claro, há os contras: é preciso muita disposição e coragem e os custos são maiores, já que você não tem com quem dividir despesas do quarto ou aluguel de carro, por exemplo. Por outro lado, lembre-se de quantas vezes uma viagem quase foi arruinada devido a alguma briguinha besta (tipo você querer ir para um lugar e a pessoa para outro). Não há prazer maior do que mudar de itinerário, acordar tarde, se estender no almoço, travar conversação com quem quiser – tudo isso sem ter de prestar satisfações a ninguém. Pense que você não é um viajante solitário, mas sim independente.

A viagem solo é uma experiência de autoconhecimento e ajuda a fortalecer a autoconfiança. Uma jornada solitária permite momentos de reflexão, conhecer gente nova e se aventurar por locais que talvez você nem percebesse se estivesse acompanhado. É um prazer sentar em um café ao ar livre e beber desacompanhado enquanto se observa o movimento, sem ter quem te apresse porque quer ir a algum lugar que você não está com a mínima vontade de conhecer.

Trabalhando em uma revista de turismo, muitas vezes tive de viajar só. E, como solteiro convicto, também o fiz por gosto. Não me arrependi em nenhuma das vezes. Ao contrário: em cada uma delas houve um aprendizado. Sim, rolam algumas roubadas e momentos de perrengue, mas, pensando bem, isso faz parte do jogo, certo?

A seguir, algumas dicas que podem vir a ser úteis caso você se aventure “by yourself” pelas estradas da vida.

1. Planeje com antecedência

Ok, planejar com antecedência deveria ser regra para qualquer tipo de viagem – acompanhada ou solo. Mas quem vai cair na estrada sem ninguém ao lado deve sempre estar mais preparado. Reserve previamente um lugar para dormir pelo menos na primeira noite. É um desgaste e tanto passar o dia atrás de estadia enquanto se vê a noite chegando. Aventura é bom, mas ninguém precisa se estressar com isso.

2. Viaje de dia (tente chegar de dia)

Assim como não ter onde ficar em uma cidade desconhecida, desembarcar à noite em um lugar com o qual você não tem intimidade pode ser uma experiência tensa. Chegar de dia permite que você erre de endereço sem que isso vire um estresse desnecessário. Também te dá oportunidade de mudar de pouso, caso descubra que aquele lugar reservado não era exatamente o que estava anunciado na internet.

3. Não tenha medo de meter as caras

Ser precavido não quer dizer ser medroso. Você foi para um lugar desconhecido justamente para, bem, conhece-lo. Entabule conversa com os locais, com os garçons e vendedores. É uma ótima maneira de descobrir lugares que às vezes passam desapercebidos pelos turistas.

4. Fique atento a tudo ao seu redor

A dica tem duplo sentido – significa que você deve ser curioso o tempo todo, mas também observar com atenção o que está acontecendo no seu percurso. Em Roma, Barcelona ou Rio de Janeiro, os assaltantes de turistas têm em comum o fato de sempre atacarem o caminhante desatento. Gente alerta nunca é uma presa fácil.

Fique atento ao seu redor - Viagem Sozinho5. Seja simpático, mas também mantenha-se prevenido

Faça amizades e mostre-se confiável, mas não confiante. À noite, nos bares, é muito fácil entabular papo com frequentadores. Isso permite fazer uma porção de amigos, marcar passeios para o dia seguinte e até descolar uma aventurazinha. Mas é aquilo: lembre-se que você está só. Nada de beber até cair. E nunca deixe uma bebida sobre o balcão quando for ao banheiro.

6. Escolha destinos que não te deixem desconfortável

A quase maioria absoluta de lugares ao redor do mundo guardam opções para qualquer tipo de viajante. Mas é certo que alguns destinos não são tão legais para um peregrino solitário. Monte Verde, por exemplo, é uma cidadezinha na serra da Mantiqueira voltada quase que exclusivamente para casais – ali uma pessoa sozinha parecerá uma espécie de ET. E acredite, você não vai querer estar em um resort lotado de famílias (e crianças) durante uma semana.

7. Aprenda o básico da língua local

Saber o mínimo de termos e palavras no idioma do país para onde você está indo pode evitar um montão de aborrecimentos. Ajuda também a ser recebido com simpatia. Locais, sejam eles franceses ou indonésios, valorizam o esforço do viajante em respeitar sua língua e tradições.

8. Deixe que as pessoas saibam onde você está

Não estou falando daquelas coisas vaidosas, tipo postar fotos o tempo todo no Facebook ou Instagram. Porém, se você vai viajar só, é muito importante que algumas pessoas saibam exatamente onde você está – e não apenas o país ou cidade, mas local em que está hospedado e passeios que fará. Se puder, mantenha-se conectado. Isso permite obter ajuda rapidamente em caso de emergência.

Deixe as pessoas saberem onde você está - Viagem Sozinho

9. Tenha aplicativos úteis

Baixe apps como conversores de moeda, tradutores online e GPS. Isso pode salvar a sua viagem e ajuda a evitar dores de cabeça que surgem por causa de bobagens.

10. Não seja um turista, seja um viajante

Eis outra dica que vale para todo mundo – só ou acompanhado. Como repórter de viagem, uma das coisas que aprendi é que observa melhor quem não é observado. Passar incógnito é simples e evita a ação dos malandros especializados em tungar turistas. Evite joias, adereços, roupas ou atitudes que o identifiquem como um turista (câmera pendurada no pescoço ou guia turístico nas mãos, por exemplo). Antes de sair do hotel, olhe-se no espelho e veja se não há algo gritando “ei, eu sou um turista!” em seu look.

CONFIRA TAMBÉM

Como organizar sua Mala de Viagem - Especial de Viagem
O que usar na Viagem do Fim de Semana - Especial de Viagem

QUER SER AVISADO SOBRE NOSSOS PRÓXIMOS POSTS?

[contact-form-7 404 "Not Found"]