Minha opinião: a idade da razão

Fala galera,

Partindo do pressuposto de que tudo o é que bom a gente tem a obrigação moral de compartilhar, peço licença para compartilhar* com vocês a escolha inspiradora da D. Nena, que decidiu, para além dos 60 anos, escrever o seu próprio destino — literalmente.

Idade da Razão

Foto: Reprodução

– “João…” – eu, falando com meu priminho de seis anos.

– “Ã?”

– “É verdade que você tem uma coleguinha de 65 anos na sala de aula?”

– “Sim” – ele está no 1º ano do ensino fundamental.

– “Ah, é?”

– “É a dona Nena.”

– “E como ela é?”

– “Velha.”

– “Humm… e o que ela fica fazendo na sala?”

– “Escrevendo o que a professora põe no quadro.”

– “E por que será que ela faz isso, João?”

– “Ela quer saber ler.”

Quando uma história dessas chega ao meu ouvido soa como provocação.

Fui conhecer a dona Nena.

Escola Municipal Monteiro Lobato. Bairro Porto Belo, Foz do Iguaçu. 1º ano do ensino fundamental ou primário, como preferir. Dona Nena está sentada na última carteira. Ao redor dela 22 alunos com idades entre seis e sete anos. Ela: 65.

– “Posso falar um pouquinho com a senhora?” – perguntei.

– “Claro, minha filha!”

Negra, lenço colorido na cabeça, sorriso a cada meio minuto…

– “Por que a senhora está vindo pra escola?”

– “É que quando eu era criança, meu pai não me deixou estudar, né? Só trabalhar na lavoura. Nós chorava, mas ele dizia que menina muié não precisava estudar, não. E a minha mãe dizia que estudar servia só pra escrever cartinha pros namorados.”

Cresceu analfabeta. De letras e números. Quando casou, o marido também não permitiu que ela estudasse.

– “Comecei a estudar no Mobral, escondido dele,” ela contou. “Um dia ele foi fuçar na minha bolsa e viu meu caderno e meu lápis. Perguntou se eu estava estudando. Eu disse que tava sim. Sabe o que ele fez? Pegou meu caderno e rasgou todinho!”

Ela largou os estudos de vez.

Aos 65 anos, dona Nena (separada há 20 anos) tem dois filhos. Um formado.

Veio deles o apoio.

– “Procurei a escola municipal do bairro onde eu moro. Falei com a secretária: ‘Rose, não tem algum estudinho pra mim aí, não?”

Rose ficou surpresa. Achou que dona Nena não iria aguentar estudar de dia com as crianças.

Mas a candidata a estudante primária, de 65 anos, não desistiu. Foi falar com a diretora.

– “Ela disse que se eu quisesse vir, podia vir, mas ela não acreditou que eu viria mesmo…”

Quando dona Nena apareceu no portão, pronta pra estudar, foi um choro só!

– “Elas ficaram emocionadas. Choravam e me abraçavam! Diziam que se todos fossem como eu, nosso país estaria bem!”

O Conselho Escolar – formado por pais, alunos, professores e funcionários – aprovou. A diretora Lídia Prieve e a coordenadora Miria Zwirtes acompanham tudo de perto e a professora, Iracy da Costa Passos, que tem a mesma idade de dona Nena, se sente desafiada.

– “A diferença” – explica a professora – “é que pra criança você fala uma vez e ela aprende. A pessoa de idade você tem que repetir cinco, seis vezes. O entendimento é mais difícil. Mas isso não atrapalha o andamento da aula. Pelo contrário. Eu vou lá na carteira da dona Nena e explico baixinho pra ela, mas as crianças não se aguentam: levantam e vão lá me ajudar. Aí, acabam aprendendo duas vezes!”

A coleguinha, Yannely, de seis anos, conta como faz:

– “Eu falo as letras que ela vai escrever. Ela aprende quase fácil, porque às vezes ela erra um pouco a letra.”

E “ái” da dona Nena se ela falta.

– “As crianças vão lá em casa me buscar! kkkk”. E completa: “sonho em ser uma professora, ser uma enfermagem… Eu quero ler pra mim abrir mais uma atividade. Nunca é tarde. N-U-N-C-A É T-A-R-D-E! Eu fico pensando assim: meu Deus, agora tá na minha vez!”

 

*Este relato em primeira pessoa foi compartilhado milhares de vezes, e ganhou bastante destaque na página do “Que História é essa?”, no Facebook.

 

Beijo,

Rony Meisler

QUER SER AVISADO SOBRE NOSSOS PRÓXIMOS POSTS?

Seu nome (obrigatório)

Seu e-mail (obrigatório)