Dois em um: projeto no Haiti beneficia a economia e a higiene local

Fala galera,

Projetos bem intencionados desembarcam aos montes em regiões castigadas por um baixo desenvolvimento econômico e social, mas ao sucumbir aos diversos desafios que aparecem pelo caminho, essas iniciativas, mesmo sem querer, acabam deixando a população local amargando uma realidade cada vez mais difícil.

Mudar esse cenário só é possível a partir de uma ação realista e organizada — e isso geralmente envolve custos. Na ousada (e necessária) tentativa de trilhar o meio do caminho, a SOIL é uma empresa social que tem suas atividades focadas no Haiti.

A última aposta da companhia é a EkoLakay, que seria uma resposta definitiva a um dos problemas sanitários do país.

reserva_post_rony_13032017_01

Foto: Reprodução

Para melhor entender o projeto, vamos começar por destrinchar o nome: EkoLakay é uma junção das palavras crioles “ecological” (Eko) e “casa” (lakay). Explicando de uma forma direta e até grosseira, trata-se de um vaso sanitário que coleta de forma segura e higiênica os dejetos humanos, para que sejam levados a uma estação de tratamento e convertidos em adubos — depois vendidos para fazendas e empresas de agricultura.

Todo o EkoLakay é feito por mão de obra e materiais locais, e alugado por cerca de 5 dólares por mês.

Além de fortalecer a economia regional, a iniciativa também extermina problemas relativos a doenças relativas às águas impuras, uma vez que a SOIL opera com margens de seguranças mais ricas que as exigidas pelos padrões internacionais.

Beijo,

Rony Meisler

QUER SER AVISADO SOBRE NOSSOS PRÓXIMOS POSTS?