Heloísa Aidar: 10 anos de sucesso, 10 dicas para chegar lá

Empreendedorismo é música aos ouvidos de Heloísa Aidar, literalmente: depois de experimentar produções artísticas e circenses, o fluxo de trabalho junto à prima Mariana Aydar (os sobrenomes são grafados diferentes mesmo)  e outros cantores lhe convidaram a profissionalizar a prática. Fundou, aos 23 anos, a Pommelo, com um investimento inicial simbólico de 5 mil reais.
Com a então pequena empresa, Heloísa produzia, distribuía e gerenciava a carreira de nomes proeminentes da MPB, como sua fiel cliente e amiga Tulipa Ruiz. Focando, sobretudo, na cena independente, tão pouco explorada em território nacional, a empresária chega aos 34 anos como um case de sucesso.

reserva_post_mentoria_28062017_01

Fotos: Gabriel Cabral/Reserva

Para além das mil e uma funções da Pommelo, Heloísa destina boa parte de sua energia ao crescimento de sua “cria” mas nova, a Brisa, uma produtora nascida para desbravar uma nova área dentro da publicidade, do cinema, da TV e da internet, conectando marcas com seu público a partir de trilhas autorais, originais e artísticas — tudo chancelado por profissionais de altíssimo nível.
Neste eco sem fim de sucesso, criatividade e trabalho, Heloísa reverbera um pouco do que aprendeu ao longo dessa década de pura ascensão.

01. Saiba onde pisa

“Quando comecei meu trabalho na cena independente, que é tradicionalmente mais desconhecida, tive de trilhar um novo caminho. Fui pilota de mim mesma. Embora hoje tenha consciência de que tive uma jornada feliz, sei também o quão dolorido e o quão sofrido foi. Portanto, se eu pudesse dar um conselho a quem está começando, seria esse: domine seu segmento; conheça bem a área que se dispõe a explorar.”

“O maior ato de empreender é ouvir a todos, constantemente.”

02. Receita de sucesso

“Acho que todo empreendedor precisa ter cara de pau, coragem e fôlego para assumir riscos. Também é imprescindível ter organização e manter a cabeça aberta. Cerca de um mês atrás eu me dei conta de que está vindo uma nova geração, numa velocidade e com uma tecnologia que eu não estou acompanhando. Percebi que não estava inovando, então fui fazer um curso. E as aulas abriram minha mente. Empreender é ter a consciência de que você está aprendendo o tempo todo, e isso nunca cessa.”

03. Rebobine a fita

“Não tenha medo de rever seus conceitos, todos eles. Eu mesma estou em uma fase de repensar o sistema de trabalho dentro das minhas empresas — e nada escapa a isso. Estamos reavaliando desde salários à atuação remota, passando pela jornada de trabalho. Pelos próximos dois meses estamos testando um ritmo de seis horas úteis diárias, em vez de oito. Mas o bacana é que é tudo uma experimentação: se funcionar, implementamos; se não, bem, daí conversamos e tentamos encontrar juntos uma saída que seja viável para todos.”

reserva_post_mentoria_28062017_02

04. Todos por um

“Depois de 10 anos de empresa, cheguei à conclusão de que não são meus funcionários que dependem de mim e da minha empresa, mas a minha empresa e eu que dependemos dos meus funcionários. Eu preciso que eles sejam apaixonados pelo negócio, que eles defendam a causa. Pra isso, preciso dar-lhes autonomia e deixá-los tomar as rédeas das coisas.”

05. É para ouvir melhor

“O maior ato de empreender é ouvir a todos, constantemente. Esses dias eu pedi a uma das minhas colaboradoras que traçasse uma estratégia para um cliente. Acatei a proposta dela sem nenhum tipo de restrição. Resultado: na semana seguinte ela voltou cheia de ideias e todas muito boas.”

“Acho que todo empreendedor precisa ter cara de pau, coragem e fôlego para assumir riscos.”

06. Idade da razão

“Não acho que existe uma idade certa para empreender, só existe coragem. Dito isso, penso que começamos a trabalhar muito cedo no Brasil; numa idade que você não tem, necessariamente, discernimento para fazer uma escolha certeira.”

07. Concorrência pouca é bobagem

“Infelizmente muita gente acredita que é útil esconder um contato, ou ficar com um projeto só pra você. Balela total: quanto mais se abre, mais as coisas acontecem. No último mês eu chamei duas produtoras, que fazem exatamente as mesmas coisas que eu, para dentro da Pommelo. Agora estamos fazendo mil projetos juntas, a gente precisava se unir.”

08. O futuro é plural

“Sua rede é a alma no negócio: quanto mais podemos fazer as coisas em grupo, mais a gente vai ter sucesso. A produção colaborativa é a resposta para os dilemas modernos e é nesse pensamento que mora o futuro.”

reserva_post_mentoria_28062017_03

09. Olhe pra dentro

“A gente fala em networking e todo mundo olha pra fora, mas networking é também entre os seus pares e colegas. Há muito o que aprender e empreender dando ouvidos a quem lhe cerca.”

10. Qualidade não tem preço

“Sou muito fácil de negociar cachê e muito difícil de negociar equipamentos, porque eu prezo pela qualidade. Nossa produtora gasta um percentual maior que as demais, enquanto o lucro é menor, mas vale a pena. Todo mundo ganha um valor justo, a gente tem um certo conforto na produção e a qualidade permanece intacta. Isso, pra mim, é inegociável.”

QUER SER AVISADO SOBRE NOSSOS PRÓXIMOS POSTS?