Sergio Pugliese  Jornalista, amigo, co-autor de “Rebeldes têm asas”

Dois parceiros foram escalados para o mesmo time. Rony já tinha formado sua equipe, tudo pensado, da tática à prática. O ataque, ou melhor, a rebeldia fez e ainda faz história em campo. E quem conta toda essa partida? Pugliese, o cara que domina as palavras e que marcou um golaço ao lado do Rony, editando o primeiro livro da Reserva, “Rebeldes têm asas”.

Sergio Pugliese, que trocou as redações (onde já cobriu política, esporte e economia) pela Approach, empresa de assessoria de imprensa da qual é sócio-diretor, é quem transformou rascunhos em eternidade (entrou pra história, Sergio, toféu de ouro pra você, irmão). Sobre o convite, conta:

“Quando o parceirão e fundador Rony Meisler me convidou para editar o livro que ele escrevera contando os 10 anos de vida da marca, bolei. Caramba, como embalar isso tudo? Na verdade, a Reserva é inexplicável, assim como o Rony é inexplicável.”

Suas palavras não disfarçam a fascinação pela história e pulsação que a Reserva tem. São emoções, movimento, dinâmica, energia e realização de um negócio feito de pessoas para pessoas, de família para sociedade, de vontade para realização.

“No Centro de Distribuição, o entra e sai é frenético; joga-se totó; aprende-se sociologia, antropologia, filosofia; a criatividade pulsa e a emoção aflora. Naquele espaço iluminado por Deus, os diferentes igualam-se, o choro é coletivo e a gargalhada é geral. Samba-se, reza-se, cria-se, erra-se, levanta-se, constrói-se.”

As histórias dessa partida que começou há 10 anos estão nas páginas de “Rebeldes têm asas”, por aqui ficamos com um “Jogo rápido”, uma “rapidinha” com Pugliese:

Sergio Pugliese (em poucas palavras):

Esportivamente, um goleador. Filosoficamente, um observador do comportamento humano.

E o Rony?

Foda! Foda! Foda!

O que você aprendeu escrevendo a história da marca?

Que existem diversos tipos de seitas. A Reserva é uma seita que compartilha o bem.

Empreender no Brasil…

É para super-heróis como Rony Meisler.

Hoje o mundo cabe em uma tela portátil, pra você a era digital é…

Fascinante para os bem intencionados e uma AR-15 para os malvados de plantão.

O jornalismo impresso tem futuro nessa era?

Claro, jornalismo sério não precisa de plataforma única.

Não falta no seu guarda-roupa…

Chuteira.

Por que ser um rebelde?

Porque rebeldes odeiam zona de conforto.

A Reserva é…

O futuro.

O Brasil daqui 10 anos…

2027

Nosso agradecimento, Pugliese.

 


 QUER SER AVISADO SOBRE NOSSOS PRÓXIMOS POSTS?