Lucas Caldeira Brant, do Entrega por SP e Projeto Lavanderia: por uma cidade mais humana

Fala galera,

Foi em uma noite de inverno na cidade de São Paulo que Lucas Caldeira Brant acordou sentindo frio. Levantou da cama, foi ao quarto de sua mãe buscar mais um cobertor e voltou a dormir tranquilamente. No dia seguinte, na mesa do café da manhã, uma notinha no jornal registrava a morte de quatro pessoas na rua naquela madrugada . Se ele tinha sentido frio naquela noite, dentro de sua casa, imagine na calçada? “Resolvi sair para conversar com quem sobreviveu”, conta Lucas. “Fiz um chamado no Facebook e fui para as ruas com outras sete pessoas e 140 cobertores”. E assim nasceu o Entrega por SP, projeto que todos os meses distribui mais de 1000 kits a pessoas em situação de rua e desde 2013 já impactou mais de 60 mil pessoas.

Fotos: Thays Bittar | Reserva

Logo na primeira saída para as ruas, Lucas se deu conta que não bastava distribuir cobertores. “Descobri que eu não posso tirar conclusões. Se eu quero fazer alguma coisa pelas pessoas que estão nas ruas, tenho que ouvi-los”, diz. As conversas levaram ao desenvolvimento do kit distribuído pelo Entrega por SP, que tem escova e pasta de dente, sabonete, papel higiênico, água mineral, meias, camisinhas, um pacote de bolachas e um sanduíche. Cobertores e agasalhos também são oferecidos. Mas, tão importante quanto os itens entregues pelos cerca de 150 voluntários que se dividem entre nove rotas por diferentes zonas da cidade nas saídas mensais, é a troca entre as pessoas. “A partir do momento em que eu converso com as pessoas e ouço, acredito estar fazendo uma cidade mais humana”, afirma Lucas.

Nos quatro anos de trabalho nas ruas da cidade, Lucas percebeu uma demanda das ruas que o Entrega por SP não conseguia resolver: o acesso à água. “A roupa que oferecemos limpa vai para o lixo depois de 3 dias porque as pessoas não têm onde lavar”, explica Lucas. “A dificuldade de encontrar água é uma das questões mais sensíveis”. Assim nasceu o Projeto Lavanderia, um espaço que vai oferecer vestiários com chuveiros e máquinas para lavar roupas às pessoas em situação de rua. Este mês, uma campanha de financiamento coletivo arrecadou 61 mil reais para montar o primeiro espaço do projeto, que ainda terá salas de acompanhamento com psicólogos, assistentes sociais e advogados.

“A partir do momento em que eu converso com as pessoas e ouço, acredito estar fazendo uma cidade mais humana”

A ideia é criar um espaço de convivência onde as pessoas também possam fazer cursos de capacitação, participar de bate papos ou conseguir uma roupa adequada para uma entrevista de emprego, por exemplo. “Mais que roupa limpa, queremos oferecer dignidade e ressocialização em um espaço humano”, diz Lucas. O projeto vai funcionar no recém-criado Instituto Ninho Social, responsável pelo desenvolvimento das atividades tanto da Lavanderia quanto do Entrega por SP. Tudo o que será oferecido no espaço vai partir da escuta das pessoas atendidas e suas demandas, uma máxima que Lucas não abre mão.

beijos,