Eduardo Lima, da eduK: causando impacto na vida dos clientes

Poucos negócios voltados à educação conseguem ser tão atuais quanto a eduK, plataforma de e-learning que oferece 1400 cursos em vídeo, apresentados por cerca de 400 experts em áreas tão diversas quanto bordado e odontologia. Primeiro, é um apoio ao empreendedorismo crescente no Brasil e também à crise do emprego, que levou muita gente ao trabalho autônomo nos últimos anos. Além disso, oferece a possibilidade de aprendizado rápido e com aplicação prática, já que tem cursos com duração média de 5 horas, que podem ser vistos de qualquer lugar e trazer uma renda extra em um curto espaço de tempo. Por último, adotou um dos modelos de negócio mais bem-sucedidos do mundo, que norteia empresas como Netflix e Spotify: o serviço de assinatura mensal. “Nosso trabalho tem resultado na vida das pessoas rapidamente, pode-se aprender a decorar bolos, por exemplo, e começar a ganhar dinheiro com isso em seguida. É algo muito poderoso”, diz Eduardo Lima, sócio da eduK.

Eduardo fundou a empresa em 2013 ao lado de Robson Catalan, que conheceu quando os dois cursavam engenharia na PUC Minas. Antes, foram sócios em uma loja virtual de eletrônicos e em um marketplace que chegou a ter milhares de cursos online. Daí veio a experiência para a área de educação à distância que, logo de cara, atraiu fundos investidores – fundos de venture capital – que mudaram o ritmo do negócio. Junto com esses parceiros, Eduardo e Robson ganharam seu terceiro sócio, o ex-técnico de vôlei Bernardinho, que embora não esteja no dia a dia da eduK, empresta sua imagem e networking para a empresa. A seguir, Eduardo conta o que aprendeu nessa trajetória.

Fotos: Thays Bittar | Reserva

Cause impacto direto na vida dos clientes

“A missão da eduK é dar todo o suporte ao pequeno empreendedor, seja aquele que já tem um negócio, o que quer abrir um ou quem apenas procura uma renda extra. Assim, atacamos dois problemas de uma vez: o desemprego e a insatisfação que muita gente experimenta com o trabalho. Nós nos tornamos relevantes na vida das pessoas e isso se dá em um curto espaço de tempo. Além disso, colocamos frente a frente o nosso cliente e alguns dos seus ídolos. Que fotógrafo não quer aprender a fotografar nu com o JR Duran? Isso faz da eduK uma empresa amada. Acho que buscar essa relevância para o cliente é muito importante.”

Trace planos claros. E saiba que irão furar

“A única coisa que um empreendedor tem certeza é que seus planos irão dar errado. Mesmo assim, ninguém pode deixar de ter um plano. O mercado muda, as leis mudam, mas ainda assim seu plano tem que ser muito bem construído. Quando fomos procurados por um fundo de investimentos, a Monashees, que é um parceiro e não apenas investidor, o mais importante é que estávamos preparados. Tínhamos um plano claro de onde queríamos chegar e eles perceberam essa clareza. Por conta disso, ganhamos fôlego para contratar quem a gente precisava e tivemos acesso a conselheiros com muita experiência, para citar algumas vantagens.”

Busque parceiros de nome

“Junto com o aporte financeiro que recebemos surgiu a sociedade com o Bernardinho, por indicação dos investidores. A ideia era trazer um nome reconhecido pelo público pois a eduK ainda não era. Ele tem uma imagem forte não só no esporte, mas na área social – com seu projeto de vôlei para crianças. Bernardinho nos emprestou também seu networking, trazendo professores do seu círculo de relacionamento para nosso time. Foi essencial para trazer visibilidade também.”

Fique de olho nos melhores

“Até 2015, os cursos eram vendidos individualmente. Eram 600 até então, a empresa vinha crescendo, mas começamos a olhar para o que as maiores e mais inovadoras companhias do mundo estavam fazendo. Netflix e Spotify adotaram o modelo de assinatura e vimos aí uma oportunidade. Acho que todo empreendedor tem que olhar os modelos mais bem-sucedidos do mercado. Então, em vez de vender um único curso por R$ 200, passamos a vender assinaturas a partir de R$ 19,90 mensais. Além disso, toda vez que colocamos um curso novo no ar, e isso acontece diariamente, ele é transmitido ao vivo, gratuitamente. Criamos uma nova proposta de valor para o assinante.”

Não pense que vai ser fácil

“A principal palavra para quem quer empreender é resiliência. Você vai ter que se dedicar muito, vai ver as coisas dando errado muitas vezes, vai se questionar, pensar em desistir. Vai ter que convencer família ou quem está ao seu lado de que você precisa trabalhar muitas horas. Enfim, vai dar muito problema e a resposta pode demorar. Pode levar 10 anos, quem sabe? Mas se se você acredita que seu negócio vai mudar a vida das pessoas, aguente firme.”

– INSPIRE-SE NO ESTILO DO EDUARDO

QUER SER AVISADO SOBRE NOSSOS PRÓXIMOS POSTS?