Gian Martinez, da Winnin: abrace a ignorância

Gian Martinez tem um visão de futuro: ele imagina o Rio de Janeiro como um pólo de criação de tecnologia voltada para a diversão. “A cidade tem essa vocação, já é importante na produção de entretenimento”, diz. Apesar de ter nascido na Colômbia, Gian é muito carioca. Assim como sua empresa, a Winnin, que começou em 2014 como uma plataforma de criação de batalhas de vídeo e evoluiu para um software que vai possibilitar a criativos de todo o mundo ter acesso a dados para criar. Na época, Gian era um diretor criativo muito valorizado da área de inovação da Coca-Cola. “Construí a visão que até hoje norteia o marketing da Coca, de que o conteúdo é líquido”, lembra. Para isso, ele não inventou a roda. Apenas se baseou nos dados que já estavam disponíveis e tirou dali suas conclusões.

Depois de sete anos na multinacional, não teve medo de abrir aos chefões seu desejo de empreender fora dali – e recebeu da Coca um aporte para lançar a Winnin. Em menos de quatro anos, fez parcerias com o refrigerante Kuat, criou um programa para o canal Multishow e está fazendo uma das campanhas que mais viralizaram durante a Copa do Mundo. Trata-se de um reaction challenge encomendado pela Budweiser em que até Daniel Alves fez uma ponta. Gian conta aqui como deixou de empreender em uma multinacional para empreender pra si mesmo.

Fotos: Thays Bittar/ Reserva

Hackeie a excelência

“Desde cedo, eu tinha uma obsessão. Hackear a ciência de se produzir arte. Queria entender como algumas pessoas produzem algo excepcional de maneira consistente. Seja 
Bob Dylan ou Pixar. Tive a sorte de ser filho dos meus pais, fundadores de uma empresa voltada para a criatividade infantil na década de 90. Eles queriam formar pessoas que resolvessem problemas de forma criativa, fossem sociais, culturais, políticos…E esse foi o meu primeiro ‘emprego’, aos 15 anos de idade. Acredito que a excelência criativa é fruto de um método que pode ser desenvolvido.”

Abrace a ignorância

“É estimulante e libertador aceitar que somos ignorantes. A minha virada na Coca-Cola aconteceu por alguns motivos. Estávamos realmente na transição de um marketing tradicional para o digital e eu trouxe o conceito das ideias líquidas como um movimento da atualidade. Mas fui atrás dos dados para basear as criações. Estava tudo ali, nos números. Analisei o que eles mostravam e apliquei. Captei o que as pessoas estava vendo, o que elas curtiam. Isso me ajudou a entender o momento. Usei os dados a meu favor.”

Não tenha medo do novo

“Eu estava muito bem na Coca-Cola, ganhamos em Cannes o prêmio de marca mais criativa do mundo pela primeira vez na história. Estava tudo certo. Tinha espaço e carta branca para criar, tinha apoio. Mas eu queria fazer minha empresa e deixei isso claro. Acabei recebendo apoio e patrocínio do programa para incentivar start ups. Assim, criamos nosso primeiro modelo de negócios, que foi o de criar batalhas de vídeos e já tivemos a KUAT como patrocinadora do prêmio Zuei VLW FLW Awards, que revelou canais de humor e levou o ganhador, Caracol Raivoso, a sair de 250 mil para 1 milhão de seguidores em um mês. Foi o terceiro que mais cresceu no YouTube, atrás apenas de Justin Bieber e Adele.”

Mudar não é problema

“As batalhas de vídeos não eram escaláveis em termos globais. Então, mais uma vez, pensamos em mudança. Agora, a Winnin está em fase final de desenvolvimento de um software que torne possível aos criativos do mundo todo visualizarem dados para tornar seus conteúdos mais relevantes. Eles terão, de maneira organizada, tudo o que a gente também tem acesso para criar e entender o momento. Sabia que podíamos solucionar um problema pelo qual passam todas as marcas e empresas de entretenimento, que é entender o que as pessoas realmente querem assistur. Validamos que esse problema é gigante e nosso software vai ajudá-los a ter mais resultado, com mais relevância e mais rapidez.”

Crie uma visão de futuro

“Eu vejo o Rio como um pólo de produção de tecnologia para o entretenimento, então me sinto feliz em ter uma empresa bem carioca. Queremos ser uma referência mundial nesse mercado e levar o nome do Rio junto com a gente. Acho que a cidade tem esse poder.”

 

 

– INSPIRE-SE NO ESTILO DO GIAN MARTINEZ

Camisa

QUER SER AVISADO SOBRE NOSSOS PRÓXIMOS POSTS?